Tuesday, March 27, 2007

Não se deve ouvir a conversa alheia...

Desde que as aulas começaram, tenho almoçado num restaurante pequeno, com comida portuguesa, que fica lá perto. Um dos fregueses habituais é um senhor que eu conhecia de vista, já há alguns anos, cego, que costuma pedir no Metro do Rossio. Esta semana, estava a almoçar sozinha, e fui ouvindo a sua historia, que ele contava a outro cliente da casa.

Fiquei, assim, a saber que ele recebe uma pensão do Estado, de 287€. Paga, depois, 250€ pelo quarto onde vive. Segundo as suas palavras, fica com 37€ para comer por mês. O restante, suponho, consegue pedindo no Metro. Ora, estava ele a contar que tinha sido contactado por uma senhora da Segurança Social, para passar a ir a uma instituição qualquer almoçar e jantar todos os dias. Ele perguntou se podia continuar a pedir, ao que ela respondeu que não. Sendo assim, não aceitou, porque "perdia a sua liberdade". "Prefiro passar fome", concluiu.

E eu fiquei sem saber o que pensar. Devemos ficar contentes por a Segurança Social querer tomar assim conta das pessoas? Mas porque é que não lhe arranjam antes um emprego? Ou será que pedir no Metro já é um emprego? Agora, parece-me bem triste que se tenha de escolher entre passar fome e ser livre, ainda que essa liberdade dependa da caridade alheia. Devo dizer, contudo, que o dito senhor não é uma criatura miserável nem amargurada, e falava da situação como qualquer pesssoa fala das suas angústias em relação ao emprego.

2 comments:

Sofia Cavaco said...

às vezes tenho vergonha do meu país... precisamente por situações como essa!

Patrícia Veloso said...

Olá, tinha imensa curiosidade em ver o teu blog. Gostei muito de o ler. Boa! Patrícia